Computação gráfica auxilia profissionais e encanta clientes

Oscar Niemeyer. Certamente é difícil encontrar quem nunca tenha ouvido falar neste mestre da Arquitetura. Ao longo de mais de oitenta anos de carreira, Niemeyer foi responsável pela construção de projetos memoráveis, revolucionando a área de atuação com suas famosas curvas. Com ele, traços ousados tomavam o papel; hoje, os arquitetos ganham asas com os avanços tecnológicos, que permitem visualizar com mais precisão e realismo o que, depois, sairá das telas e será feito de concreto.

 

Um bom exemplo da importância das novas tecnologias aplicadas ao trabalho do arquiteto – sem que, no entanto, o processo criativo do profissional seja dispensável – é o complexo da Fundação Getúlio Vargas (FGV), localizado no bairro de Botafogo, no Rio de Janeiro. O projeto inicial foi concebido por Niemeyer na década de 1950, antes de o uso de recursos tecnológicos ser integrado a seu ofício. Em 2010, o projeto foi readequado pelo próprio arquiteto, e as obras foram concluídas três anos depois, pouco após a morte dele. Os cuidados com a sustentabilidade econômica e ambiental puderam ser colocados em prática, graças às tecnologias de construção disponíveis. Até mesmo as curvas puderam ser projetadas de modo a atender as necessidades da obra e do local em que ela foi feita.

 

Mesmo para os profissionais que não se imaginem como sucessores do mais festejado arquiteto brasileiro, é possível realizar grandes projetos, conceber modificações e realizá-las de maneira muito mais ágil e prática do que antigamente. Já para os clientes, a grande vantagem das tecnologias aplicadas à Arquitetura é a possibilidade de conhecer detalhes do projeto de maneira mais realista, ou seja, ter uma visão bem mais próxima de como ficará a construção. Torna-se possível praticamente “passear” no interior dos projetos.

 

É claro que, para trocar lápis e prancheta por uma tela de computador, os profissionais precisam dominar os recursos de computação gráfica disponíveis no mercado. Os cursos de qualificação oferecidos pela escola Le ARQ são uma ótima alternativa para quem quer aprimorar seus conhecimentos. A escola, inaugurada em julho de 2014 no bairro Coração Eucarístico, em Belo Horizonte, oferece cursos para o uso do AutoCAD, Revit, Lumion, SketchUp, ArchiCAD, Photoshop e CorelDraw, entre outros softwares.

 

Na LeARQ, os alunos se aperfeiçoam no uso destes programas – o que aumenta a agilidade no cotidiano e a qualidade dos trabalhos desenvolvidos – e, ainda, contam com certificados dos cursos (o que pode ajudá-los a conquistar vagas no mercado de trabalho). Enfim, o talento do profissional por trás das máquinas não se dispensa, mas a habilidade de lidar com os recursos da computação gráfica se tornou, de fato, um diferencial. Quem também ganha com a qualificação de engenheiros, arquitetos, publicitários e designers são os clientes. Eles podem ter acesso a projeções bastante realistas dos resultados dos serviços que pretendem contratar.

 

Além destes cursos, a escola LeARQ oferece aulas de informática para pessoas da terceira idade. Mais que capacitação, este curso representa a liberdade e a possibilidade de descoberta de um novo mundo por aqueles que já estão na “melhor idade” e querem ingressar no ambiente digital.

 

Por Nayla Lopes